“Apenas o escritório”?

Olhei para as colinas verdejantes no norte da Inglaterra observando as cercas de pedra que continham algumas ovelhas espalhadas. Inalei profundamente absorvendo a visão das nuvens que se moviam no céu brilhante. Ao comentar sobre essa cena com a mulher que trabalhava nesse centro de retiros que eu visitava, ela disse: “Nunca tinha percebido isso antes de nossos convidados nos chamarem a atenção. Vivemos aqui há anos e, quando éramos agricultores, aqui era apenas o escritório!”.
Podemos facilmente perder a dádiva diante de nós, especialmente a beleza que faz parte do nosso cotidiano. Também podemos perder as belas maneiras em que Deus trabalha e nos envolve diariamente. Mas como cristãos podemos pedir ao Espírito de Deus que abra os nossos olhos espirituais para entendermos como Ele está agindo, assim como o apóstolo Paulo escreveu em sua carta aos efésios. Paulo orava para que Deus lhes desse sabedoria e entendimento para conhecê-lo melhor. Paulo orou para que seus corações fossem iluminados a fim de que conhecessem a esperança de Deus, o futuro prometido e o poder (Efésios 1:17-19). O Espírito de Cristo, dádiva de Deus, pode nos despertar para a Sua obra em nós e através de nós. Com Ele, o que pode ter parecido “apenas o escritório” pode ser entendido como um lugar que exibe Sua luz e glória. Amy Pye - Pão Diário

Vigiem

A música do cantor country Tim McGraw, Live like you were dying (Viva como se estivesse morrendo) me inspira. Nela, ele descreve coisas interessantes que um homem fez após receber más notícias sobre sua saúde. Ele também escolheu amar e perdoar as pessoas mais livremente, falando-lhes com mais ternura. A música recomenda que vivamos bem, como se soubéssemos quão breve a vida acabará.
O nosso tempo é limitado. É importante não adiarmos o que podemos fazer hoje, porque um dia ficaremos sem os amanhãs daqui. Isso é particularmente urgente para os cristãos que creem que Jesus pode retornar a qualquer momento (talvez no exato segundo que você estiver lendo essa frase!). Jesus nos exorta a estarmos prontos, a não vivermos como as cinco virgens “tolas” que estavam despreparadas quando o noivo voltou (Mateus 25:6-10).
Mas essa música não conta toda a história. Nós que amamos a Jesus nunca ficaremos sem os amanhãs. Jesus disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim viverá, mesmo depois de morrer. Quem vive e crê em mim jamais morrerá…” (João 11:25,26). Nossa vida nEle jamais acaba. Portanto, não viva como se estivesse morrendo. Porque você não está. Pelo contrário, viva como se Jesus já estivesse chegando. Porque Ele está! Mike Wittmer - Pão Diário

Posicionando-se sobre a fé


Doe 1 euro clicando no botão amarelo na coluna ao lado. Deus abençoe!

Desmond Doss serviu na Segunda Guerra Mundial como não combatente. Suas crenças religiosas o impediam de portar armas, mas ele serviu habilmente como médico de combate. Em uma batalha, ele resistiu ao intenso fogo inimigo para retirar 75 soldados feridos de sua unidade à segurança. Sua história é contada no documentário O objetor de consciência (2004) e dramatizada no filme Até o último homem (2016).
A lista dos heróis da fé cristã inclui corajosos como Abraão, Moisés, Davi, Elias, Pedro e Paulo. No entanto, José de Arimateia e Nicodemos são heróis desconhecidos que arriscaram sua posição junto aos líderes judeus para recolher o corpo crucificado de Cristo e dar-lhe um enterro decente (vv.40-42). Esse foi o movimento ousado de um discípulo temeroso e secreto de Jesus e de Nicodemos, que antes se atrevera a visitá-lo apenas à noite (vv.38,39). Por que é impressionante eles terem assumido sua posição de fé antes de Jesus sair vitorioso do túmulo?
Talvez a maneira que Jesus morreu e o que se seguiu imediatamente (Mateus 27:50-54) tenha cristalizado a sua fé inicial. Talvez tenham aprendido a se concentrar em quem Deus é e não no que o homem poderia fazer a eles. Qualquer que tenha sido a inspiração, hoje podemos seguir o exemplo deles e demonstrar coragem para, em favor de outros, assumir riscos pela fé em nosso Deus. Remi Oyedele - Pão Diário

Falsa segurança

Quando nosso cachorrinho Rupert era pequeno, ele tinha tanto medo de sair que eu tinha que arrastá-lo ao parque. Certo dia, tolamente o soltei de sua coleira. Ele correu para casa, de volta à sua segurança. Isso me fez lembrar de alguém que conheci num avião, que começou a se desculpar comigo enquanto taxiávamos pela pista: “Vou ficar bêbado neste voo”. “Parece-me que não é isso que você quer”, respondi. “Não é”, ele replicou: “Mas sempre recorro ao vinho”. Ele ficou bêbado, e a parte mais triste foi ver sua esposa abraçá-lo quando ele saiu do avião, cheirar seu hálito e depois afastarem-se. A bebida era a segurança dele, mas esse não era um lugar seguro.
Jesus começou Sua missão com as palavras: “O reino de Deus está próximo! Arrependam-se e creiam nas boas novas!” (Marcos 1:15). “Arrepender” significa reverter a direção. O “reino de Deus” é o Seu domínio amoroso sobre nossa vida. Em vez de corrermos para lugares que nos aprisionam, ou sermos dominados por medos e vícios, Jesus diz que podemos ser governados pelo próprio Deus, que amorosamente nos leva à nova vida e liberdade. Hoje Rupert corre até o parque latindo de alegria. Oro para que aquele homem no avião encontre a mesma alegria e liberdade, deixando para trás seu falso lugar de segurança. Sheridan Voysey - Pão Diário

Qualificado aos olhos de Deus

Fui contratada por uma consultoria em tecnologia embora eu não conseguisse escrever uma linha de código de computador e tivesse pouco conhecimento de negócios. Na entrevista inicial, aprendi que a empresa não valorizava a experiência anterior. As qualidades pessoais como a capacidade de resolver problemas criativamente, bom senso e trabalho em equipe eram mais importantes. Presumiam que os novos funcionários aprenderiam, desde que fossem o tipo de pessoa que procuravam.
Noé não tinha o currículo adequado para construir a arca, não era engenheiro naval nem carpinteiro. Era fazendeiro e sentia-se confortável com a camisa suja e o arado nas mãos. No entanto, pela maneira que Deus decidira lidar com o mal no mundo, Noé se destacou porque “andava em comunhão com Deus” (Gênesis 6:9). O Senhor valorizava a docilidade do seu coração, a força para resistir à corrupção ao seu redor e fazer o que era certo. Quando surgirem oportunidades de servirmos a Deus, talvez não nos sintamos qualificados para o trabalho. Felizmente, Deus não está necessariamente preocupado com nosso conjunto de habilidades. Ele valoriza o nosso caráter, o amor a Ele e a disposição de confiar nele. Quando essas qualidades estão sendo desenvolvidas em nós pelo Espírito, Deus pode nos usar de maneiras grandes ou pequenas para realizar Sua vontade entre nós. Pão Diário