Sempre um filho de Deus

Durante um culto ao qual eu assistia com os meus pais, de acordo com a prática comum, demos as mãos ao orarmos o Pai Nosso. De pé, com uma das mãos segurando a mão da minha mãe e a outra segurando a do meu pai, fui tomada pelo pensamento de que sempre serei filha deles. Embora esteja na meia-idade, ainda posso ser chamada de “filha do Leo e da Phyllis”. Refleti que não sou apenas filha deles, mas que serei sempre filha de Deus.
O apóstolo Paulo queria que as pessoas da igreja de Roma entendessem que a identidade delas se alicerçava no fato de serem membros adotados da família de Deus (Romanos 8:15). Por terem nascido do Espírito (v.14), não precisavam mais ser escravizados às coisas que não importavam. Pelo dom do Espírito, eram “herdeiros [de Deus] e, portanto, co-herdeiros com Cristo” (v.17). Para quem segue Cristo, que diferença isso faz? É bastante simples: toda! Nossa identidade como filhos de Deus provê a base e molda como nos enxergamos e vemos o mundo. Por exemplo, saber que fazemos parte da família de Deus nos ajuda a sair da nossa zona de conforto à medida que o seguimos. Também podemos ser livres de buscar a aprovação dos outros. Hoje, por que não pensamos no que significa ser filho de Deus? Amy - Pão Diário

Canção da criação

Com a astronomia acústica, os cientistas observam e ouvem os sons e pulsos do espaço. Eles descobriram que as estrelas não orbitam em silêncio no céu, mas geram música. Assim como os sons da baleia jubarte, a ressonância das estrelas existe em comprimentos de onda ou frequências que podem não ser ouvidas pelo ouvido humano. Mas a música das estrelas, das baleias e de outras criaturas se combina para criar uma sinfonia que proclama a grandeza de Deus.
“Os céus proclamam a glória de Deus; o firmamento demonstra a habilidade de suas mãos. Dia após dia, eles continuam a falar; noite após noite, eles o tornam conhecido. Não há som nem palavras, nunca se ouve o que eles dizem. Sua mensagem, porém, chegou a toda a terra, e suas palavras, aos confins do mundo”(Salmo 19:1-4). O apóstolo Paulo revela que, por meio de Jesus, “todas as coisas foram criadas, tanto nos céus como na terra, todas as coisas que podemos ver e as que não podemos […] Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Colossenses 1:16). Em resposta, as alturas e profundidades do mundo cantam ao Criador. Que nos juntemos à criação para cantar a grandeza daquele que “mediu os céus com os dedos” (Isaías 40:12). Pão Diário

Para onde você está indo?

O que determina a direção da sua vida? Entendi isso num curso de pilotagem de motos. Para aprender a pilotar motos, meus amigos e eu fizemos um curso. Parte do treinamento lidava com algo chamado fixação pelo alvo.
“Ocasionalmente”, o instrutor disse, “vocês se depararão com um obstáculo inesperado. Se olharem para ele, fixos no alvo, irão em sua direção. Se olharem por cima e passarem por ele ao irem na direção que precisam, poderão evitá-lo normalmente. O lugar para onde estiverem olhando será a direção em que irão”. Esse princípio simples e profundo também se aplica à nossa vida espiritual. Quando “fixamos no alvo”, focando em nossos problemas ou lutas, quase automaticamente orientamos nossa vida ao redor disso.
As Escrituras nos encorajam a deixar para trás nossos problemas e a olhar Àquele que pode nos ajudar a resolvê-los. Lemos: “Olho para os montes e pergunto: De onde me virá socorro?”. E a resposta: “Meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra […] O Senhor o guarda em tudo o que você faz, agora e para sempre” (Salmo 121:1,8). Às vezes, nossos obstáculos parecem intransponíveis. Mas Deus nos convida a olhar para Ele para ajudar-nos a ver além dos nossos problemas, em vez de permitir que estes dominem nossas perspectivas. Adam - Pão Diário

A beleza do amor

A dança mexicana do chapéu também conhecida como “Jarabe Tapatío” celebra o romance. Durante essa dança contagiante, o homem coloca seu sombreiro no chão. Ao final, a mulher o ajunta, e ambos se escondem atrás do chapéu para selar o seu romance com um beijo.
Essa dança tradicional me lembra da importância da fidelidade no casamento. Em Provérbios 5, depois de falar sobre o alto preço da imoralidade, lemos que o casamento é exclusivo: “Beba a água de sua própria cisterna, compartilhe seu amor somente com a sua esposa” (v.15). Mesmo com dez casais dançando o Jarabe no salão, cada pessoa se foca apenas no próprio parceiro. Podemos alegrar-nos num compromisso profundo e integral com o nosso cônjuge (v.18).
Nosso romance também está sendo observado. Os dançarinos, enquanto se divertem com o parceiro, sabem que alguém os assiste. Da mesma forma, lemos: “Pois o Senhor vê com clareza o que o homem faz e examina todos os seus caminhos” (v.21). Deus quer proteger o nosso casamento e, por isso, observa-nos constantemente. Que possamos agradar o Senhor com a lealdade que demonstramos um ao outro. Assim como o ritmo na dança Jarabe há um ritmo a se seguir na vida. Quando nos mantemos no ritmo do nosso Criador sendo fiéis a Ele — quer sejamos casados ou não —, encontramos bênçãos e alegria. Keila - Pão Diário

Adorando com perguntas

Não é incomum que, durante uma viagem longa ou curta, alguém pergunte: “Já chegamos?” ou “Falta muito?”. Quem já não ouviu essas perguntas universais dos lábios de crianças e adultos ansiosos por chegar ao seu destino? Mas pessoas de todas as idades também tendem a fazer perguntas parecidas quando estão esgotadas pelos desafios da vida, que parecem não acabar.
Esse foi o caso de Davi no Salmo 13. Quatro vezes em dois versículos (vv.1,2), Davi, que se sentia esquecido, abandonado e derrotado, lamentou: “Até quando?”. No segundo verso, ele pergunta: “Até quando terei de lutar com a angústia em minha alma?”. Os salmos de lamentos, implicitamente nos permitem nos achegar ao Senhor em adoração com nossos questionamentos. Afinal de contas, que melhor pessoa com quem falar durante longas fases de estresse e pressão do que Deus? Podemos entregar-lhe as nossas lutas com enfermidades, tristezas, imprevisibilidades da pessoa amada e dificuldades de relacionamentos.
Não devemos parar de adorar quando temos perguntas. O Deus soberano nos convida a levarmos a Ele as nossas perguntas inquietantes. E, no devido tempo, como aconteceu com Davi, talvez elas serão transformadas em petições e expressões de confiança e louvor ao Senhor (vv.3-6). Arthur - Pão Diário

Do que você não pode desistir?

“Do que você não pode desistir?”, perguntou o apresentador. Alguns ouvintes responderam mencionando a família, incluindo um marido que compartilhava as lembranças da sua falecida esposa. Outros contaram que não poderiam desistir dos sonhos, como viver da música ou de ser mãe. Todos nós temos algo que valorizamos muito: uma pessoa, uma paixão, um bem, algo do qual não podemos desistir.
Em Oseias, Deus nos diz que não desistirá do Seu povo escolhido, Israel, Seu bem mais precioso. Como um marido amoroso, Deus sustentou Israel com tudo o que a nação precisava: terra, alimento, roupas e segurança. Mesmo assim, como uma esposa adúltera, Israel rejeitou Deus e buscou felicidade e segurança em outro lugar. Quanto mais Deus o perseguia, mais o povo se afastava (Oseias 11:2). Entretanto, embora o povo tenha magoado o Senhor, Deus não desistiu de Israel (v.8). Ele disciplinava o povo para redimi-lo; Seu desejo era reestabelecer o relacionamento com os israelitas (v.11).
Hoje, todos os filhos de Deus podem ter a mesma garantia: Seu amor por nós nunca nos abandonará (vv.37-39). Se nos afastamos dEle, Ele deseja que voltemos. Quando Deus nos disciplina, podemos ter o consolo de que se trata de um sinal de Sua busca, não de Sua rejeição. Ele não desistirá de nós. Poh - Pão Diário